2020 mostrou as empresas o que é preciso para 2021: Resiliência

2020 foi um ano que ninguém nunca teve no currículo. Ninguém pôde comentar de algo tão parecido como o que foi e está sendo vivido desde março do ano passado.

Você que percorreu pela crise do coronavírus em 2020, o que você fez para sobreviver a este ano? Todas as respostas são grandes aprendizados e podem ser um grande diferencial para quem passou por esse momento histórico. 

O modo como as pessoas encararam a pandemia, mostra o que puderam abstrair desse caos mundial. 

Viver com um planejamento limitado, talvez tenha sido o maior desafio de todos, porque antes, alguns não tinham uma métrica de objetivos traçados, mas sabiam que conseguiriam chegar até lá, mesmo que de uma forma mais lenta.

Outros, muito bem estruturados, planejavam até o que seria feito em alguns anos. E agora? Como foi viver em um cenário que não se podia planejar, pois a cada dia, uma nova notícia chegava e desamparava cada fio de esperança de que a pandemia acabaria em alguns míseros meses?  

Os CEOs não tiveram muito tempo de prever o negócio e, quando não se tem tempo, tem de estar muito bem preparado para tomar decisões rápidas, baseado no cenário do dia anterior.

Fomos obrigados a tomar decisões, assertivas ou não, pois não tínhamos as respostas para o amanhã. A meu ver foi muito positivo.   

As empresas tiveram de evoluir na marra, tornando-se muito mais fortes hoje do que em janeiro quando o ano ainda aparentava ser apenas mais um. Em um ano, as empresas fizeram o que estava programa para três até cinco anos corridos. 

Designed by @rawpixel.com / freepik
Designed by @rawpixel.com / freepik

O desconforto fez com que nos tornássemos mais competitivos, poupássemos o caixa e fizemos rígidos controles de custo e despesas. 

Com isso, como o próprio dito popular afirma “ano novo, vida nova”, dessa vez, a vida nova virá para todo mundo, querendo ou não.

O ano de 2021 que começou será realmente novo também porque ainda não sabemos o que irá acontecer e, além disso, entraremos todos mais resilientes.  

Ao ficarmos em casa, fomos forçados a ter coragem de implementar tecnologia no dia a dia. A pandemia abriu os olhos e as experiências positivas empresavão permanecer, como por exemplo, as reuniões virtuais, as facilidades de compras pela internet, a telemedicina…. Mudamos também o modo de olhar para a vida.

Ela se tornou mais valiosa e um novo modo de pensar em todo um ecossistema foi ativado. Precisamos cuidar de toda cadeia que nos envolve: parceiros, fornecedores, clientes, colaboradores e a sociedade.  

E como ficamos mais resilientes, não criamos expectativas altas para o ano que começou. Agora, trabalhamos mês a mês, de acordo com o cenário. É preciso estar preparado para o caos. 

E não há outro jeito. A tecnologia deixou há muito tempo de ser o CPD e quem não a enxerga como ferramenta de sobrevivência, não vai ter acesso ao mercado. 

As empresas listadas em bolsa e, as mais bem avaliadas, não são mais somente varejo e relativos, são as empresas de tecnologia. 

É um caminho sem volta e que pode nos ajudar a criar processos mais eficientes para que a sociedade possa se preocupar a ser mais humana.   

Por Celso Sato é presidente da Accesstage,Techfin, que integra tecnologia e serviços para simplificar e promover maior performance na gestão financeira, tem como posicionamento empoderar os gestores financeiros por meio de tecnologias para ver, prever e agir, assim tornando-os confiantes para tomar decisões acertadas.  

.fb-background-color {
background: !important;
}
.fb_iframe_widget_fluid_desktop iframe {
width: 600px !important;
}

O post 2020 mostrou as empresas o que é preciso para 2021: Resiliência apareceu primeiro em Rede Jornal Contábil – Contabilidade, MEI , crédito, INSS, Receita Federal .


2020 mostrou as empresas o que é preciso para 2021: Resiliência